Uma nova explicação para uma explosão maciça em uma floresta remota da Sibéria em 1908 é ainda mais estranha que o próprio incidente misterioso.

Conhecida como o evento de Tunguska, a explosão destruiu mais de 80 milhões de árvores em segundos, em uma área de quase 2.000 quilômetros quadrados – mas não deixou crateras. Um meteoro que explodiu antes de atingir o solo foi considerado por muitos o culpado. Contudo, um cometa ou asteróide provavelmente teria deixado para trás fragmentos rochosos depois de explodir, e nenhum resíduo de “arma de fumar” de um visitante cósmico jamais foi encontrado.

Fonte: www.space.com

Deixe uma resposta