O provedor de Wi-Fi de bordo Gogo é demitindo 143 pessoas, ou cerca de 14% de sua força de trabalho, pois as pessoas continuam a evitar viagens aéreas durante a pandemia do COVID-19. A empresa concedeu anteriormente 600 funcionários e cortou os salários dos executivos em abril, e disse na quinta-feira que “continuará com certas licenças e manterá as reduções salariais que foram implementadas anteriormente”.

Os cortes virão “predominantemente dos negócios de aviação comercial da empresa”, de acordo com um comunicado de imprensa divulgado quinta-feira. O Gogo se candidatou ao financiamento da CARES Act, mas não está claro se alguma vez recebeu alguma assistência.

“Com base em nossas expectativas atuais sobre o escopo e o momento de uma recuperação no setor e em nossos negócios de Aviação Comercial, reduzir nossa força de trabalho se tornou uma etapa necessária”, disse Oakleigh Thorne, CEO da Gogo em comunicado. “Não tomamos essa ação de ânimo leve, mas acreditamos que é essencial em nossos esforços preservar nossa flexibilidade financeira, mantendo a qualidade de nosso serviço e relacionamento com nossos clientes”.

O Gogo não obteve lucro desde que foi aberto em 2013, e estava passando por uma mudança estratégica antes da pandemia. A empresa vem mudando seus negócios para confiar mais na Internet via satélite para seus serviços Wi-Fi a bordo. porque sua rede atual ainda depende fortemente de conexões ar-terra suscetíveis a interrupções e problemas de largura de banda. A empresa disse anteriormente que seus planos de implantar uma rede 5G em 2021 não foram afetados pelas licenças, mas não está claro imediatamente se isso mudou.

O Gogo não é o único fornecedor que enfrenta lutas relacionadas a pandemias. Na semana passada, a Global Eagle – que fornece Wi-Fi a bordo para o sudoeste – Apresentou falência.

Fonte: www.theverge.com

Deixe uma resposta