Os cosmonautas estão progredindo na luta contra o pequeno vazamento de ar que tem sitiado o Estação Espacial Internacional por meses, de acordo com relatórios russos.

O vazamento foi detectado pela primeira vez em setembro de 2019, mas era uma prioridade muito baixa para a NASA e a Roscosmos resolverem até agosto deste ano, devido à falta de pessoal e às altas taxas de atividade no laboratório orbital, de acordo com um comunicado anterior da agência espacial dos EUA. Em agosto, a NASA anunciou algumas medidas que Roscosmos, a contraparte russa da agência dos EUA, estava se comprometendo a rastrear a localização do vazamento. Essas etapas incluíram duas pernoites de fim de semana com a tripulação no segmento russo para isolar componentes da estação. Em nenhum momento o vazamento ameaçou a estação espacial ou os astronautas que vivem nela, de acordo com declarações de ambas as agências.

Fonte: www.space.com

Deixe uma resposta